Eventos, Mova-se, Uncategorized

Meu primeiro TDC – (2010 São Paulo) – A Luz no fim do túnel

Imagem

Quem já participou de alguma edição do T.D.C., sabe do que estou falando.  Através de um amigo meu (Marcos Dallagnelo) fiquei sabendo de um evento para desenvolvedores que aconteceria em São Paulo. Ao dar uma olhada na grade de palestras fiquei impressionado com a variedade de tecnologias abordadas além de nomes bem conhecidos da comunidade de desenvolvimento. Decidimos ir e participar de todos os dias (na época eram 3 dias). Saímos de Joinville-SC às 21:30 com destino a São Paulo. A viagem levou em torno de 8 horas, e próximo às 05:30 da manhã já estávamos na rodoviária do Tietê. Tomamos um banho e pegamos o metrô até a paulista.

Chegando lá, tomamos um café com aquelas moças que vendem bolinhos e copos de café na beira da avenida (achei bem barato até rsrs) e em seguida partimos para a universidade Anhembi Morumbi. Às 07:00 horas já estávamos em frente a universidade aguardando o início do evento, enquanto isso ficamos ali trocando uma ideia e fazendo um networking, foi bem legal! Eu estava com medo que o sono batesse forte durante o evento, pois oito horas de estrada deixam você desgastado.  Esse era nosso primeiro dia no TDC, sexta feira 21/08. Nesse dia participamos da trilha de testes. Fomos para o auditório principal da universidade onde ocorreu a abertura daquele primeiro dia de evento. Já de início pudemos perceber que o dia seria promissor, além do nível dos palestrantes, organização, e a variedade de tópicos abordados atenderia a todas as expectativas do público ali presente. O sono bateu? Lógico que não, era impossível estar no TDC e cochilar. Uma grande maioria dos colegas participantes comigo (presentes na sala) eram da área de testes (claro, eu estava na trilha de testes). Como sei da importância de testar bem uma aplicação, participei dessa trilha, e vi coisas fantásticas, imagina para quem é tester!

O Sábado foi a vez do .Net, aí sim já estava em casa. Foi a partir desse dia que comecei a ver a luz no fim do túnel, comecei a ver tecnologias e abordagens totalmente novas e isso empolga muito! Digo que comecei a ver luz no fim do túnel porque foi a partir daí que comecei a me dedicar em aprender ainda mais sobre a tecnologia e explorar ao máximo as ferramentas que utilizo. Vi que o que eu vinha fazendo era algo como “Martelada Designer”, fazendo tudo apenas com if, while e for. Posso afirmar que esse evento foi um marco na minha vida profissional, a partir daí passei a estar ligado em comunidades, eventos e tudo o que diz respeito a isso. Cheguei a dar palestras em universidades aqui da região e escrever alguns artigos para a revista .Net magazine (a qual devido a outros projetos me afastei temporariamente, logo volto).

Faltou o terceiro dia né, bom o terceiro dia foi o dia do Agile, para fechar com chave de ouro a mudança que vivi. Palestras que abordavam diversas perspectivas em torno da agilidade e uma demostração de coach ao final do dia foi sem dúvida espetacular. Já estamos no domingo e é hora de retornar para Joinville. Saímos as 22:30 de São Paulo e perto das 06:00 já estávamos em casa. Então um banho e voltar a realidade.

Participei do TDC 2011 em Floripa e sempre que posso estou presente nesse evento. Vale muito a pena participar de um evento como esse, você volta com outra visão do que faz no dia a dia. Recomendo.

Agora estamos com o TDC 2013 saindo do forno, eu quero estar presente nesse também, e quem puder participe, vale a pena!

Abraços!

Padrão
Eventos

Evento Técnico – #BluDotNet

Olá Pessoal,

No dia 06 de abril de 2013 acontecerá mais um evento em Blumenau da comunidade BluDotNet.  O evento contará com nomes bem conhecidos da comunidade de desenvolvedores e a grade de palestras está bem interessante! Deem uma conferida:

  • Desenvolvendo com Kinect
    por Gabriel Cardoso – Benner Sistemas/SC
  • Acceptance Test Driven Development
    por Rafael Mueller – Inventti/SC
  • ASP.NET WEB API
    por Giovanni Bassi – Lambda3/SP – MVP de C#
  • Desenvolvendo software como serviço para negócios
    por Fernando Correia – Benner Sistemas/SC
  • Adotando Continuous Delivery
    por Marcelo Oliveira e Rafael Magrin – ThoughtWorks/RS
  • Fundamentos do CQRS
    por Elemar Junior – Promob/RS – MVP de C#

Apesar de ser gratuito, as vagas são limitadas, então faça sua inscrição.

Abraço!

Padrão
.NET, Eventos

Palestra sobre Scrum e TFS

Olá pessoal, nessa última semana de outubro aconteceu na Univille a Semana da Informática onde eu dei uma palestra sobre Scrum e Plataforma Microsoft. A ideia era dar um overview do Scrum visto que havia pessoas que sabem o que é Scrum, pessoas que nunca ouviram falar e pessoas que já trabalham com Scrum.

Em seguida fiz uma rápida demostração utilizando o Team Foundation Server e o Visual Studio 2010. Espero que os alunos tenham saído com algum conhecimento a mais, ou da ferramenta ou do framework Scrum.

enjoy!

Abraços!

Padrão
.NET, Eventos

The Developer’s Conference 2010 – Floripa!

Lançamento do TDC Florianópolis 2010

Neste ano, o TDC Florianópolis, repetindo o imenso sucesso do TDC São Paulo, traz um modelo bastante diferenciado dos anos anteriores, organizado por trilhas, e com palestras específicas por tecnologia. A inscrição é realizada por trilha  com um custo extremamente acessível.

Trilhas Stadium

As trilhas Stadium Sábado e Stadium Domingo não são restritas a um tema específico e apresentam uma grade diferenciada com apresentações de diversos temas como Arduino, Spring, Mobile, Ruby, SOA e PHP, realizando uma forte integração entre as comunidades.

Mais informações

Abraços!

Padrão
Banco de Dados, Eventos

Primeiro post do evento 1º DevDay Curitiba! “Business Intelligence usando informações Geoespaciais” – Thiago Zavaschi

Olá pessoal,

Conforme prometido, segue o primeiro post do evento DevDay Curitiba que aconteceu no último dia 25/09 na Faculdade de Tecnologia OPET. Os posts seguirão a ordem das palestras. A primeira palestra do dia foi com Thiago Zavaschi, falando sobre Business Intelligence usando informações Geoespaciais. Outra coisa, esses posts serão uma síntese de cada palestra.

Os exemplos desse post foram feitos com a edição Developer do SQL Server 2008, mas com qualquer edição funciona.

Bom, vamos ao que importa!

A parte inicial da palestra foi uma introdução sobre dados geoespaciais no SQL Server 2008.

Em primeiro lugar vamos aprender o que são dados geoespaciais, já sabemos que o SQLServer 2008 implementa nativamente o recurso de dados espaciais. Mas o que são esses tipos de dados?

O SQLServer 2008 possui dois tipos de dados que permitem armazenar, pontos, linhas, polígonos, mapas enfim, permite trabalhar com geoprocessamento. etc. Existem dois tipos de dados espaciais, são eles Geometry e Geography. Mas qual a diferença? O tipo de dados Geometry é utilizado para armazenar dados como pontos, linhas, mapas planificados, e polígonos. Já o tipo Geography permite armazenar dados de latitude e longitude, posicionamento no globo terrestre, como os dados usados em um GPS por exemplo. Esses tipos são padronizados pelo Open Geospatial Consortium (OGC).

Os dados espaciais são armazenados no banco como qualquer outro tipo de dado, e podem ser recuperados em uma query. Agora vejamos o seguinte, quando você executa uma query no SQL Server 2008 e traz um desses tipos, automaticamente é incluída uma guia de resultados chamada “Resultados Espaciais”.

Vamos executar o seguinte comando utilizando o tipo geography:

select (geography::STGeomFromText(‘POLYGON((-122.358 47.653, -122.348 47.649, -122.348 47.658, -122.358 47.658, -122.358 47.653))’, 4326)) from SpatialTable

Note que temos como resultado uma sequencia hexadecimal (conforme imagem acima) que de imediato não diz muita coisa, você deve estar pensando “hum que interessante!”. Mas agora começamos a tornar as coisas mais interessantes, ao clicar na guia Resultados espaciais podemos ver uma figura como a imagem abaixo:

Note no comando SQL que o primeiro parâmetro e o último são iguais “((-122.358 47.653” isso é necessário para fecharmos o nosso polígono, outro detalhe é que estou usando o tipo geography, e sendo esse utilizado em mapas elipsoidais, posso escolher a projeção que melhor me atende.

Com os tipos de dados geometry, além de criar linhas, polígonos, desenhar mapas também podemos fazer muitos cálculos como áreas de uma figura, verificar se um ponto pertente a uma reta, intersecção de formas, calcular distancias entre as figuras etc.

select geometry::STPolyFromText(‘POLYGON((3 1,1 1, 2 2, 2 3, 1 1,3 1))’, 0)

Ao desenhar uma imagem, caso os pontos finais e iniciais não coincidam, você receberá uma mensagem de erro como essa abaixo:

Msg 6522, Level 16, State 1, Line 1

Erro do .NET Framework durante a execução de rotina definida pelo usuário ou agregação “geometry”:

System.FormatException: 24306: The Polygon input is not valid because the start and end points of the ring are not the same. Each ring of a polygon must have the same start and end points.

System.FormatException:

at Microsoft.SqlServer.Types.Validator.Execute(Transition transition)

at Microsoft.SqlServer.Types.Validator.EndFigure()

at Microsoft.SqlServer.Types.ForwardingGeoDataSink.EndFigure()

at Microsoft.SqlServer.Types.OpenGisWktReader.ParseLineStringText()

at Microsoft.SqlServer.Types.OpenGisWktReader.ParsePolygonText()

at Microsoft.SqlServer.Types.OpenGisWktReader.ParseTaggedText(OpenGisType type)

at Microsoft.SqlServer.Types.OpenGisWktReader.Read(OpenGisType type, Int32 srid)

at Microsoft.SqlServer.Types.SqlGeometry.GeometryFromText(OpenGisType type, SqlChars text, Int32 srid)

at Microsoft.SqlServer.Types.SqlGeometry.STPolyFromText(SqlChars polygonTaggedText, Int32 srid)

Hierarquia dos dados espaciais

Temos 11 tipos de instância de dados espaciais, no entanto é permitido que instaciemos 7 tipos para trabalhar.

São eles:

  • Point
  • MultiPoint
  • LineString
  • MultiLineString
  • Polygon
  • MultiPolygon
  • GeometryCollection

Na imagem abaixo (destacados em azul), podemos ver a hierarquia dos tipos de instâncias (Geometry e Geography).

A primeira parte da palestra finaliza com essa introdução sobre os tipos geoespaciais. Partimos agora para aplicações desses tipos de dados.

Como o foco da palestra era B.I usando dados geoespaciais, Zavaschi iniciou essa parte explicando que um B.I precisa ter duas características principais:

1-    Deve ser rápido;

2-    Deve ser preciso.

As duas características acima são fundamentais para esse tipo de sistema.

Ele até criou uma situação pra exemplificar bem essas características:

“Um cidadão pergunta a hora para outra pessoa, então a pessoa aguarda, aguarda, aguarda e aguarda mais ainda, 2 minutos depois ela responde.”

Dessa situação, concluímos que:

1-    A resposta não foi rápida;

2-    A resposta não foi precisa;

Quando a pessoa recebeu a resposta, a hora já não era mais precisa, nem tampouco servia para ela tomar uma decisão, se houvesse uma oportunidade, ele já havia perdido.

Sabemos que hoje as empresas têm cada vez mais necessidades de incorporar informações visuais nas suas análises e tomadas de decisões, a frequência com que as pessoas consomem esses dados aumenta exponencialmente a cada dia.O SQLServer 2008 fornece esse mecanismo nativo para que as empresas tirem o melhor proveito para seus negócios com o máximo de performance. O SQL Server 2008, incorpora o suporte a índices espaciais, mecanismo que otimiza a busca das informações .

Veremos agora alguns cenários onde a inclusão de dados geoespaciais podem melhorar a eficiência de um negócio e torna-lo mais competitivo:

  • Os dados geoespaciais permitem uma melhor compreensão dos cenários pela análise visual.
  • É possível visualizar as regiões onde as vendas se concentram e onde estão fracas;
  • Criar mapas temáticos específicos por produtos ou serviços oferecidos;
  • Para o segmento de transporte rodoviário, por exemplo, é possível calcular distâncias e definir rotas para chegar ao destino;
  • Monitoramento com informações visuais;

Por enquanto é isso.

Até o próximo!

Abraços!

 

Padrão
Eventos

1º DevDay Curitiba

O evento aconteceu na OPET – Faculdade de Tecnologia em Curitiba, eu já estava familiarizado com o local, pois havia ido em agosto em um outro evento no mesmo local. Saimos de Joinville as 06:00 da manhã, eu Marcos, Guilherme e Vilmar para o 1º DevDay. Expectativa grande!! O evento foi organizado por Igor Musardo e Rodolpho Marques do Carmo. Começamos o dia revendo alguns amigos(as), Djonatas Tenfen, Thiago Zavaschi e Nathália Zavaschi, (Djonatas e Thiago  também eram palestrantes do evento), além do café (pra lá de especial e) e rever os amigos, também rola um networking profissional nesses eventos. Durante o dia tivemos uma sequência de palestras técnicas sobre várias tecnologias, usando informações Geoespaciais e BI no SQLServer, Windows Phone7, MVVM, ASP.NET MVC,Silverlight e uma palestra sobre Desenvolvimento Profissional no final do dia. Após isso tudo iríamos fazer uma sessão de Coding Dojo, mas o tempo foi curto pra tanta atividade. Aguardo a segunda edição do evento. Nos próximos dias estarei colocando em forma de posts cada uma das palestras para compartilhar com quem não foi ao evento. Partcipar desses eventos é de uma importância enorme para o seu desenvolvimento pessoal e principalmente profissional, sempre que posso estou participando. Vou relacionar alguns motivos para que uma pessoa participe desses eventos:

1 – Se você é um universitário, provavelmente está começando a trabalhar agora na área, ou ainda nem trabalha, para essas pessoas, além da oprtunidade de networking profissional, você pode conhecer alguma área da TI que lhe chame a atenção e você venha a se especizaliar,  por exemplo, Banco de dados, Aplicações para dispositivos móveis, desenvolvimento para web, Designer Gráfico, Infra etc. então nesse item já temos 2 motivos.

2 – Conhecer novas tecnologias e ficar por dentro do que está ocorrendo na sua área profissional, visto que se você não se atualiza constantemente, um abraço meu amigo;

3 – Se você já é um profissional da área, então você estará se reciclando ao participar;

4 – Nesses eventos, sempre há empresas recrutando pessoas, então está aí a chance de uma possível ascenção profissional ou um emprego novo, para ter uma idéia nos últimos eventos que participei, estavam presentes pelo menos 2 empresas de RH fazendo recrutamento, além das empresas participantes do evento, isso porque pessoal qualificado está em baixa no mercado, portanto atualize-se e estude.

6 – Coffee Break – esse é sensacional! 🙂

7 – Você sempre encontra pessoas de outros eventos;

8 – Brindes, já ganhei ferramentas de desenvolvimento, e no DevDay ganhei um pen drive 🙂 Show de bola;

Esses são apenas alguns motivos para você ir a eventos como esse. Até a próxima.

Abraços!

Padrão