Mova-se, Redes Sociais, Sistemas Sociais

Uma nova visão e além….

A ideia desse texto é passar para vocês um ponto de vista sobre a análise de sistemas que estudei  esses dias em sala de aula, a ideia que segue abaixo nos foi apresentada pelo professor Claudiomir Selner e que de antemão já adianto que compartilho desse ponto de vista.

Vamos começar fazendo uma viagem, isso mesmo pode ser de formatura, final de ano, férias qualquer coisa….

Vamos todos para New York, afinal de contas, dinheiro não falta mesmo não é?

Todos com suas bagagens preparadas…indo pro aeroporto….hora de partir….lá fomos…

Enquanto as asas do avião quase congelam, a ansiedade toma conta dos que não adormeceram.

Algumas horas depois lá estamos, todos felizes, curiosos, alguns cansados…bom, numa viagem assim qual é o item que não pode faltar??

Câmeras fotográficas e filmadoras é claro, afinal queremos guardar esse momento, registrar tudo.

Primeiro local a ser visitado, estátua da liberdade, chegamos lá, obtemos algumas informações com o guia turístico, e em seguida queremos fotografá-la….são cliques para todo lado, são diversas poses com a estátua ao fundo, umas fotos ficam boas, outras nem tanto, mas afinal a câmera é digital, basta apagar e bater de novo.

Vamos a um outro detalhe, logo ali perto existe uma banca de jornais que vende cartões postais da estátua da liberdade e é claro outros pontos turísticos de new York.

Bom, não seria uma atitude muito mais inteligente se comprássemos um desses cartões postais? Vamos aos motivos: primeiro, a pessoa que bateu a foto é um profissional, ela conhece as melhores posições de acordo com o horário, sabe como obter a melhor iluminação, a qualidade da sua câmera é muito superior, conhece os ajustes finos que otimizam a qualidade, enquanto que as nossa câmeras  possuem apenas algumas opções pré-configuradas, com certeza o dia em que a foto foi batida, estava melhor do que o dia que visitamos….etc.

Com todos esses motivos, porque não compramos um cartão postal em vez levarmos as câmeras? Você deve estar pensando “mas no cartão postal eu não apareço”, legal, é um dos motivos.

Mas o principal motivo pelo qual não queremos nem saber dos cartões postais é que na verdade nós queremos registrar o EVENTO, esse é o nosso ponto principal, não estamos interessados em atributos estáticos da estátua, altura, largura, para onde está direcionada, quantas toneladas pesa, esse atributos estão for a da nossa visão, pois não nos interessa.

Quando realizamos uma análise de sistemas devemos nos deter nos eventos, nas interações entre objetos, não em atributos estáticos, sabe porque?

Porque os atributos são estáticos. Os problemas só ocorrem quando há interações entre as partes, é aí que devemos nos deter.

Atributos estáticos assim continuarão até que um evento os altere, e se um evento não alterar, não teremos problema ali.

Você já viu algum notebook dar problema? Nenhum notebook dá problema só!

Acontece que um notebook em uma prateleira de loja não apresenta nenhum problema, os problemas aparecem quando começam surgir interações, interações entre o note e o usuário, entre o note e a corrente elétrica, entre o note e certa condição climática, é aí que os problemas aparecem, do contrário, tudo certo.

Você agora deve estar pensando…”é realmente ele tá viajando…” então vamos continuar….

Bom vamos a outro exemplo. Uma nota fiscal. Uma nota fiscal nunca teve nem terá problema algum até que alguém comece a interagir com ela, enquanto isso ela é perfeita e não lhe causará problemas.

Mas quando alguém lançar informações nessa nota, aí sim devemos ficar atento, pode haver um lançamento incorreto, um percentual tributário diferente do que deveria ser, e isso pode gerar enormes problemas com o fisco, mas enquanto isso não ocorre, seus atributos estáticos estão lá! ESTÁTICOS!

Por que devemos nos atentar a eles se eles não causam problemas? NÃO devemos nos atentar a eles!

Lembre-se devemos nos deter nos eventos que ocorrem em um sistema, e aqui o sentido da palavra sistema, não é referente a Sistemas de Informação mas a análise de sistemas sociais direcionados para softwares, é aí que começa a análise!

O analista de sistemas tem que esta no meio dos problemas, dando identidade a eles caracterizando-os e não na frente de uma IDE escrevendo códigos.

As ferramentas de um analista de sistemas deveriam ser o Word, o Outlook e o seu navegador preferido!

Se atentem  para o foco da análise de sistemas, e experimentem dar outra perspectiva a essa prática!

Pensem!

Abraço!

Padrão
Sistemas Sociais

Indicação de Filme…para refletir!

MindWalk

Assisti um filme por indicação de um professor da faculdade, e gostaria de indicar também, esse filme chama-se Ponto de Mutação. Não entrarei em detalhes para não contar o filme para quem for assistir.

O conteúdo desse filme é baseado no livro de mesmo nome do autor Fritjof Capra, onde o pensamento sistêmico e tratado do ponto de vista de 3 personagens, um poeta, uma cientista e um político. Assistam!

Abraços!

Padrão
Sistemas Sociais

Circularidade e Feedback

Neste post, apresentarei os conceitos de feedback  e circularidade, suas funções dentro dos sistemas, os tipos de feedback e o que cada feedback nos retorna, com esses conceitos em mente, temos mais uma grande ferramenta para a análise dos sistemas sociais.

Boa leitura!

Os problemas de hoje provêm das “soluções” de ontem

Quando temos algum problema, seja de qualquer natureza, podemos eliminá-lo, ou apenas deslocá-lo para o futuro.

Acontece que ao encontrar-mos uma solução, essa nem sempre é a ideal, pode parecer naquele momento, ou até por outros motivos circunstanciais a tenhamos escolhido, ou ainda apenas aplicando um modelo anterior  acreditando na ideia de que “funcionou antes, vai funcionar agora”, e a escolhemos. Porém se não escolhemos a solução ideal, teremos um retorno desse problema no futuro, retorno esse que virá com uma intensidade muito maior.

Outro ponto importante é que aquele que terá o problema no futuro, não será o que “solucionou” no passado.

Quanto mais você insiste, mais o sistema resiste

Esse processo sistêmico rege sutilmente todo e qualquer sistema,  infelizmente, raramente nos damos conta disso. Trata-se de um esforço que tem um retorno contrário ao nosso, embora pareça aliado, na verdade trata-se de um inimigo disfarçado, se não for descoberto a tempo, leva quem o sustenta a exaustão, ao fracasso, a derrota.

No cotidiano,  se percebermos bem, ele está presente em qualquer lugar. Podemos ter o exemplo de uma pessoa que está com acumulo de trabalho, num certo momento ela começa a trabalhar mais a fim de colocar suas tarefas em dia, ao perceberem isso, outras pessoas da empresa, começam a gerar uma demanda maior de trabalho para a pessoa, e isso nunca termina. Quanto mais ela trabalha para deixar em dia suas tarefas, mais serviço aparece, isso podemos chamar de Feedback de Compensação.

O comportamento melhora antes de piorar

Permite visualizar um bom resultado na aplicação de um programa social, mudança de hábito, esforço para resolver algo. Porém quando se trata de uma solução de baixa alavancagem,  ou seja, sem visualizar possíveis consequências,  teremos aí o Feedback de compensação. Naquele primeiro momento, estava tudo certo, mas a solução não foi a ideal, é só uma questão de tempo para que o problema  venha pior do que a primeira vez.

A saída fácil geralmente nos conduz de volta a porta de entrada

Ao utilizar um raciocínio não sistêmico, muitas vezes nos deparamos com problemas que vão surgindo a todo momento e tentamos solucioná-los com antigos métodos, crentes que funcionarão.  No entanto, uma saída fácil, pode simplesmente nos conduzir ao ponto inicial, com no exemplo do conto muçulmano, jamais o bêbado achará as chaves da sua casa, porque está confortável procurar ali em função da iluminação que existe,  porém a saída ao problema dele, está na escuridão, lugar menos confortável, e que muitos evitam de ir.

É uma questão apenas de perspectiva da situação, basta que troquemos os óculos para visualizarmos novas saídas.

A cura pode ser pior que a doença

Ao encontrarmos uma solução para um problema, essa pode vir a se tornar ainda pior para o seu criador. Uma pessoa que tenta aliviar seus problemas fazendo o uso de álcool ou algum tipo de droga, irá arcar com os custos de ter criado um um problema muito maior na sua vida. Isso se dá por falta de um pensamento sistêmico que prevê a solução rápida e imediata.

Mais rápido significa mais devagar

Muitas vezes não percebemos que todo e qualquer sistema, complexo ou não, tem um ritmo natural de evolução. Quando forçamos esse ritmo, o sistema nos dá como resposta, uma forma de compensar isso.  Possivelmente teremos sérios problemas com essa compensação, porque algo será prejudicado com essa redução compensatória. È necessário que o ritmo seja crescente ao ponto de manter o sistema em harmonia com todos os componentes desse sistema.

Causa e efeito não estão intimamente relacionados

Um grande erro sistêmico é achar que causa e efeito andam praticamente de mãos dadas.  Não é verdade que isso acontece, nem sempre a consequência vem de imediato, as vezes pode levar, dias, meses, anos ou décadas para que soframos as consequências de um ato no passado. Outra dificuldade está em relacionar esses fatos no tempo. Podemos sofrer com o efeito de algo que iniciou no passado, mas sem nos darmos conta disso.

Ainda há a questão de a consequências vir antes da causa, ou seja, o problema  (no caso a consequência) já está acontecendo, porém de uma forma latente, apenas aguardando a possível causa para aparecer, muitas vezes é o que costumamos chamar de “a gota d´agua que faltava”.

Pequenas mudanças podem produzir grandes resultados – mas a áreas de maior alavancagem são geralmente as menos evidentes

Obter grandes resultados é algo almejados por qualquer um. Porém o caminho escolhido, nem sempre é o que leva ao tão esperado resultado, isso porque foi aplicado no processo uma solução de baixa alavancagem, ou seja a interferência na situação foi aplicada  superficialmente, sem uma profunda visão estrutural da “coisa” em si. Nesse caso, a mudança foi somente até onde podemos enxergar. Isso pode exigir muito esforço, para se obter um resultado, que poderia ter sido obtido de uma forma mais “inteligente”.

Você pode assoviar e chupar cana – mas não ao mesmo tempo

Quando nos deparamos com situações em que precisamos optar por uma delas, não vemos a possibilidade de as duas andarem juntas. Isso porque analisamos a partir de um raciocínio estático, ou seja temos a ideia fixa de que apenas uma pode ser escolhida.

Porém é possível que a escolha de uma, leve a outra, e ainda elas venham a estar juntas, basta que saibamos escolher corretamente aquela que servirá como ponto de partida.

Dividir um elefante ao meio não produz dois elefantes pequenos

Nos sistemas sociais, muitas vezes é preciso que visualizemos a situação como um todo,  do contrário, se tomarmos apenas parte dela, é provável que jamais tenhamos êxito na saída dessa situação. Isso nos remete a Teoria da Complexidade, ou seja, num determinado momento,  a organização atinge um nível de complexidade onde jamais será possível desmembrá-la a fim de entender suas partes. Nesse momento a organização passa a ter uma existência própria .

Não existem culpados

È natural sempre acharmos um culpado para os nossos problemas. Porém o raciocínio sistêmico nos diz que nós e nossos problemas fazemos parte de um único sistema e ainda que essa a solução disso está no nosso relacionamento com o “inimigo”, ou seja a forma que agimos para obter o resultado, isso implica em tudo o que vimos até aqui, Teoria da Complexidade, Feedback de compensação, transferência de responsabilidades, ou seja nossa perspectiva e forma de solucionar nossos problemas é que são nossos aliados ou inimigos.

Uma mudança de mentalidade

Hoje vivemos numa época em que a quantidade de informações geradas é muito superior ao que conseguimos absorver. Para se ter uma ideia, uma edição no Jornal New York Times contém mais informações do que um ser humano do século XVI seria capaz de absorver em toda a sua existência. O nível de complexidade aumenta a cada dia, e é aí que começamos  a nos perder nesse meio. Porém, existe uma forma sistêmica de organizar nossos pensamentos. É necessário que soframos uma lapidação mental  para que possamos  perceber  as coisas de forma diferente, devemos começar a ver o “todo”, ao invés de apenas partes do dele.

Circularidade

Aprendemos a analisar as situações de uma forma linear, ou seja sem que haja uma relação entre elas, é como se cada fato não tivesse nenhuma relação com o acontecimento anterior, ou provocasse um efeito futuro. É nesse ponto que está o problema, precisamos ver os fatos com outra perspectiva, da perspectiva da circularidade, interligando os acontecimentos, fazendo referências e prevendo futuros resultados. Isso  nos dá a capacidades de resolver muitos problemas de uma maneira extremamente fácil e eficaz. Além de resolver problemas, melhor ainda é evitá-los. A grande dificuldade está em verificar essa circularidade, pois não é uma coisa tão óbvia assim, e se encontra mascarada na linearidade dos fatos.

A guerra fria, onde houve uma demonstração do poderio bélico, foi um belo fato que marcou a história com sua circularidade articulando esse processo. Foi enfraquecida e finalizada a partir do momento que esse círculo sofreu uma reversão, e passou a ter um efeito contrário, com a mesma circularidade, porém levando ao final desse fato.

Feedbacks

Parte fundamental da circularidade, são os feedbacks, são eles que mantém a circularidade dos fatos, permitindo perceber os fluxos da influências nesse meio. Toda influência, causa novas influências e consequentemente sofre suas próprias influências, visto que estamos num círculo. Funcionam como sensores que nos “guiam” nos acontecimentos.

Tudo o que fazemos, possui um feedback, o simples fato de pegar um ônibus para ir ao trabalho, é um ato que requer constante feedback, desde a hora que saímos de casa, os passos que damos pelas ruas até o ponto do  ônibus, o ato de visualizar o veículo se aproximando, verificarmos se realmente é o veículo que esperamos, acompanhar pela janela o local onde desejamos descer, tudo isso resumidamente, são atos de feedback que realizamos todos os dias o dia todo.

Feedback de Reforço

È aquele que começa com pequenas ações, muitas vezes discretas ao ponto de nem percebermos. Mas a medida que o tempo passa essas ações começam a ganhar estímulos que produzem resultado e consequentemente geram mais estímulos, aí começa uma espiral sistêmica que ganha força de maneira exponencial. Vale ressaltar que esse processo pode ser benéfico, como pode também ser prejudicial, ou seja, podemos reforçar os bons acontecimentos como também os maus.

Um exemplo desse feedback podemos ver na seguinte situação, uma comissão paga a um vendedor. Num determinado mês, ele vende  uma certa quantia e ganha um valor em comissão. Esse ganho o estimula a vender mais no mês seguinte, para que sua comissão aumente, e mais ainda no próximos mês. Temos uma situação que estimula a pessoa a praticá-la com mais afinco a cada dia.

Feedback de Balanceamento ou estabilização

Esse feedback visa o equilíbrio natural de um sistema.  Podemos perceber sua ação a partir do momento em que  há um objetivo no comportamento. Esse atua de forma a atingir essa meta , e no momento seguinte estabiliza os mecanismos que atuaram na busca do objetivo. A partir desse momento percebemos que qualquer ação no sentido continuar o processo, embora já tenhamos atingido o objetivo, será anulado, entrará em equilíbrio, é como se definíssemos limites. Para isso é preciso que tenhamos a visão do todo, e não só das partes.

Todo e qualquer sistema, seja ele biológico ou social possui seus feedbacks de balanceamento, se fazem necessário para manutenção do mesmo, pois se não existissem, o colapso seria inevitável.

Tempo de espera

Elemento fundamental nos feedbacks, tanto de reforço quanto de balanceamento, pois todos possuem um tempo de espera entre um ato e um resultado. Capaz de estimular ou até desestabilizar um sistema, o tempo de espera precisa de uma administração cautelosa.

Ao tomarmos um medicamento para aliviar uma dor, existe um tempo de espera entre o momento em que ingerimos o medicamento e o momento em que o efeito começa. Caso tenhamos muita pressa, ingerimos ainda mais medicamentos acreditando que o efeito será mais rápido, poderemos ter graves problemas, e consequentemente nosso sistema biológico, entrará em colapso.

Referência Bibliográfica:  Teoria Geral de Sistemas, Ludwig Von Bertalanffy.

Abraço!

Padrão
Sistemas Sociais

Características Sociais

Esse post mostra como um sistema social se mantém, o que ele precisa para existir, como ele uma organização social tem seu início. Veremos agora algumas dessas características de um sistema social.

Boa leitura.

Um Sistema social não possui uma estrutura física capaz de ser observada quando esse deixa de existir. Outros sistemas como os biológicos por exemplo, permite que se identifique seus componentes mesmo quando deixam de funcionar. Um Grande erro que ocorre na compreensão dos sistemas sociais é tomar um modelo físico para a sua compreensão. Ao longo do tempo foram desenvolvidas formas mais sutis de compreender, porém todas passíveis de erro ao ignorar a natureza dos sistemas.

INPUTS DE PRODUÇÃO E DE MANUTENÇÃO

Os inputs de produção são aqueles quer proporcionam importação de energia externa para proporcionar resultados produtivos. O inputs de manutenção são  as entradas de energia que mantém o sistema.

Um sistema social tem sua manutenção mais instável do que um sistema físico, por exemplo. Num sistema social, sua manutenção se dá pela comunicação, organização, relacionamento e comportamento dos indivíduos que o compõe. É muito mais simples a manutenção dos dos sistemas físicos do ponto de vista das partes.

Em um sistema social, os fatores que garantem sua manutenção permitem uma variabilidade enorme de fatores que podem desestabilizar o sistema.

TIPOS DE FORÇAS QUE REDUZEM A VARIABILIDADE HUMANA

1 – Pressões do ambiente: São tipos de forças que aparecem com uma necessidade coletiva. A partir desse momento, surgem grupos com objetivos sociais comuns.

2 – Valores e expectativas compartilhadas: Surge quando um grupo social tem um objetivo comum. A partir desse momento as decisões tomadas são fundamentadas nos valores de cada integrante. Isso uma expectativa de grupo fortemente baseada nesses valores, que agora estão compartilhados a todos os membros do grupo.

3- Imposições de regras: Essas são as responsáveis pela redução de variabilidade de comportamento. As pessoas seguem essas regras com bases nos seus valores e princípios.

TRÊS BASES DE INTEGRAÇÃO DE SISTEMA

As funções, as normas, e os valores fornecem três bases inter-relacionadas para a

integração de sistemas sociais.

1. A interdependência das pessoas leva a uma ligação entre elas.

2. Ao aceitar desempenhar determinada tarefa, a pessoa acaba assumindo outros

elementos que serão responsáveis pela coesão da organização.

3. Os valores que se centralizam nos objetivos do sistema fornecem uma outra fonte de

integração.

TIPOS GENÉRICOS DE SUBSISTEMAS

1. Subsistemas técnicos ou de produção – abrange a informação e o processamento de

energia. Esta no ciclo das atividades mais importantes compreendidas pelo sistema.

2. Subsistemas de apoio – eles trabalham de maneira a buscar inputs de energia e

organizar a disposição dos outputs, em suas relações com o ambiente, ou então, auxiliam

nesses processos.

3. Subsistemas de manutenção – esses subsistemas servem para manter a estrutura de

comportamento interdependente dos sistemas.

4. Subsistemas adaptáveis – sentem as mudanças no meio externo e as traduz para seus

efeitos para dentro do sistema.

5. Subsistemas gerenciais – PLOC, planejar, liderar, organizar e controlar. Desempenha

essas tarefas dentro do sistema.

DEFINIÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

As organizações são basicamente um tipo ou classe específico de sistema social. São,

entretanto, mais complexas, possuindo mais características de sistemas do que os

graupamentos sociais primitivos.

MAIS ESPECIFICAÇÕES SOBRE FUNÇÕES NORMAS E VALORES

As formalizações dentro do sistema definem as regras de comportamento esperado pelos

membros desse sistema, que desempenham uma função, ativa ou passiva. Para a

manutenção dessas regras existem as sanções, que são responsáveis por evitar desvios

dos padrões de comporatamento desejado. Com as organizações, é mais provável que os

indivíduos não consigam se expressar da maneira que determina sua responsabilidade,

ele seria mais tolhido de sua liberdade. Esse fato é mais acentuado nas organizações do

que em outros ambientos sociais.

A ORGANIZAÇÃO EM RELAÇÃO A SEU MEIO AMBIENTE

O funcionamento organizacional está diretamente relacionado com a cadeia de eventos

que ocorrem no meio que o ampara, e deve, consequentemente, ser estudade dentro

deste enfoque. Conceitos como subsistemas e super-sistemas, abertura de sistemas,

fronteiras e codificação estão profundamente alicercados nessas relações.

Referência Bibliográfica:  Teoria Geral de Sistemas, Ludwig Von Bertalanffy.

Abraço!

Padrão
Sistemas Sociais

Os Sistemas de Idéias

Veremos a seguir os tipos de idéias que compõe um sistema, quais as diferenças, como se relacionam com as demais, e suas características.

Boa leitura

SISTEMAS DE IDÉIAS

Organização e etologia das idéias

Os Sitemas de idéias compreendem todo o processo organizacional que consiste na mediação entre mentre e mundo.

Um sistema de idéas é composto por um núcleo central que é  circundado ou protegido por idéias ou subsistemas periféricos. A maneira com que esse núcleo interage com o meio exterior determina uma classificação ao sistema. Todo sistema é ao mesmo tempo aberto e fechado, ou seja, têm a capacidade de se defender das idéias opostas as que defendem, ao passo que podem filtrar e absorver idéias que o fortalecem.

Teoria e Doutrina

Uma teoria é um sistema que possui aberturas em seu núcleo capaz de absorver idéias externas e  se modificar. Aceita refazer seu núcleo. Como forte característica, jamais se autodestrói sob qualquer hipótese. Sua definição de teoria se dá enquanto possuir capacidade de adaptação das idéias.

As Doutrinas consistem num conjunto de idéias que não aceita contestação, não é  totalmente fechada mas só aceita idéias que a fortalece. Uma de suas características é ser ortodoxa. Rejeita tudo o que se rebela contra a sua lógica racionalizadora, ao passo que pretende ser a única a possuir a verdade e é blindada contra agressões externas.

Idealismo e Racionalização

O Idealismo tem por definição um conjunto de pensamentos que toma o real pela idéia. O idealismo está presente em todos os conjuntos de idéias. As próprias teorias cintíficas, através da sua interpretação e sua concordância com as leis da natureza,  favorecem uma idealização que tomamos por real. Esses pensamentos nos acompanham  e vem nos acopanhando por toda a nossa história. Tomam a forma que bem preferirem através de nossas abstrações do mundo.

Racionalização

Sistemas Filosóficos

A origem desses sistemas nas sociedades se deu um pouco tarde. Foram aos poucos sendo absorvidos pelas sociedades e tomando forma própria através da agregação com as idéias mitológicas, antropológicas e cosmológicas resultando assim na base filosófica que conhecemos.

Esses sistemas também serviram como base para muitas religiões que a eles acrescentaram seus dogmas. Os sistemas sociais europeus, sofreram um grande abalo a partir do Renascimento, onde tudo foi reformulado, requestionado, dando início a uma revolução sistemática que culminou numa evolução rápida e incessante entre o pensamento sistemático e o pensamento assistemático.

A Europa deu origem aos sistemas filosóficos funcionando como um laboratório de idéias. Essas eram contrapostas, questionadas, aceitas, criticadas, uma verdadeira batalha sem tréguas que aos poucos foi mostrando seus resultados ao mundo.

Ideologia

As ideologias partem na maioria das vezes das idéias centrais das filosofias. Isso se dá  de uma forma mais suscinta e dogmática, e passa a se disseminar na sociedade produzindo novos dogmas. Sua origem se dá através de uma síntese entre dois princípios, o do Conhecimento e o Ético, é nesse momento que passa a adquirir forma própria como um sistema de idéias racionalizador e idealista.

Os Ideomitos

O início do século XX promoveu uma mudança gradativa nas questões referenteas aos mitos existentes.  A idéia de mito, era muito forte e pouco questionada.  Com o aparecimento das novas idéias laicas (fora dos domínios das religião) promoveram uma forte mudança nos modos de pensar. Max Weber concebeu isso de forma gradativa, de modo que as idéias de mitos, foram enviasdas para uma noosfera meramente estética e também para os interiores psíquicos.

Nesse processo, um detalhe passou desapercebido, a existência das idéias abstratas, essas permitiram que esses mitos  as habitassem, como se permanecessem num estado latente, apenas esperando um momento propício para se manifestar.

As idéias abstratas ocorrem no momento da passagem de um sistema de idéias, ou seja o processo de idealização ou racionalização deixam um espaço vazio que permite o aparecimento de um ser mítico. Esse se instala e lá permanece, invisível, porém já é capaz de externar suas sinfluências.

Hoje os valores da humanidade se enraizam no ser de cada um, chegando ao ponto de tornar-se mito. Os mitos modernos encontram-se mascarados por certas ideologias, e as ideologias encontram nos mitos um combustível necessário a sua disseminação e por fim subjulgando os homens. Hoje sofremos um contínuo retrocesso mitológico e religioso, bem como os sistemas abstratos e ideológicos.

As ideologias da Promessa

Citando o exemplo do Sistema de idéias Marxista, que enquanto sistema filosófico, possui idéas centrais bem definidas e complexas. Esse grau de complexidade a ambivalência dessas idéias, se perde no momento em que torna-se ideologia. Toda ideologia comporta compomentes míticos, e esses sãonecessário a concepção de muitas idéias.

A ideologia e o Real

A ideologia tem a capacidade de nos ensinar e nos proteger do que é real. Essa característica se dá pelos caminhos das idéias. As ideologias necessitam de uma fonte  de energia, como desejos, sonhos, ambições.  Com isso se carregam de energia emotiva e passam a possuir uma forma própria. Tem o poder de ligar núcleos míticos a assim ganhar mais força, mas também podem entrar em contradição, derrota de idéias podendo se extinguirem ou criar forte e eternas raízes nas civilizações.

Os costumes das Idéias

Entendendo as ideologias, podemos facilmente verificar seu poder repulsivo. Cada uma ocupa um campo de competência, se forem em campos diferentes, uma age como se a outra não existisse; se form no mesmo campo, uma irá opor a outra.

Porém as ideologias que mais abalaram a humanidade, foram aquelas que carregavam consigo as concepções de mundo. Tivemos muitos fatos que confirmam isso, principalmente no campo religioso, onde as idéias do Cristo e as idéias da igreja geraram muitos conflitos religiosos. As ideologias têm um papel importante nas relações da humanidade pelo fato de tratarem de questões de idéias e concepções.

O Mistério da Nação

O Estado-Nação, é  um ser que comporta todos os casos dos Sistemas de Idéias. Os elementos formadores desse ser, fazem parte de um processo cíclico de criação e concepção. Suas entidades noosféricas e suas realidades históricas comunicam-se através de fortes raízem onde se encotra o ser mítico, a “mãe-terra”.

Referência Bibliográfica:  Teoria Geral de Sistemas, Ludwig Von Bertalanffy.

Abraço!

Padrão